Myanmar

Há algo de indiscutível beleza no amanhecer em Bagan, com suas mais de 4 mil estupas multicentenárias. Paira igualmente no ar a sensação de estar vivendo outrora, como se pudéssemos voltar no tempo. Em meio a um processo de globalização que pasteuriza inúmeros destinos, Burma, como o país também é conhecido, parece se transformar apenas lentamente. Já não é mais um reino ou uma ditadura, mas uma democracia, o que não significa que tudo tenha mudado. Em cada uma das 100 etnias que coexistem na extensa nação banhada pelo Golfo de Bengala, orbita um respeito às tradições e aos valores que permitem com que continuem autênticas. Embora Naipidau seja oficialmente a capital do país, hoje é Yangon a protagonista comercial e turística, principalmente por Shwedagon Paya, uma imensa estupa com quase 100 metros de altura toda recoberta por folhas de ouro, reluzente a milhas de distância. Lar de um povo acolhedor e gentil, Myanmar recebe com sorrisos, ainda que tímidos, os viajantes mais interessados em desvendá-lo.