Nepal

Uma coexistência religiosa invejável somada a um relevo dramático e um punhado de algumas das maiores montanhas do planeta em seu quintal. Entre cerimônias budistas e rituais de cremação hinduístas, o Nepal prova ao visitante que tem ritmo próprio e uma incrível pluralidade cultural. Se nos arredores da capital Kathmandu a predominância é de hinduístas e de uma população que se aproxima muito da indiana em termos de costumes e valores, no norte do país predomina o budismo e feições mais orientais. Sem dúvidas o terremoto de 2015 provocou mortes e estragos de patrimônio nas cidades medievais de Bhaktapur e Patan, mas o país ainda segue como epicentro cultural e espiritual da região. E nas montanhas do Himalaia, a essência das atividades ao ar livre e a mística dos mais lindos trekkings do planeta ainda prevalece. Nos parques nacionais aventure-se em safáris a bordo de elefantes, em busca de fauna selvagem, como tigres e rinocerontes. De 440 metros de altitude até o ponto mais alto do planeta, no cume do Monte Everest, a 8.848 metros, o Nepal reúne uma infinidade de mundos em seu estreito território.