Mercado Benito Juarez, Oaxaca, México

Guilherme LapaZoom10 de janeiro de 2017

A rica cultura mexicana tem como um dos seus pilares as tradições culinárias e o respeito ao alimento, passadas de geração em geração desde antes da chegadas dos colonizadores europeus. Tais tradições vão muito além do taco ou guacamole e demonstram características singulares de região para região, sem deixar de lado as influências dos que passaram ao longo dos séculos. Um dos locais mais propícios para compreender essas singularidades é o Mercado Benito Juarez, na cidade de Oaxaca de Juarez ou simplesmente Oaxaca. Construído em 1893 em meio a uma antiga zona comercial colonial e localizado bem próximo ao “Zócalo”, o nome do mercado faz uma homenagem a um dos mais importantes líderes políticos da história do país nascido na região.

Foto: Guilherme Lapa

Artesã tecendo cestos tradicionais de Oaxaca. Foto: Guilherme Lapa

Cores, aromas, sabores, texturas e muita receptividade estão presentes nos quatro cantos do mercado, que se orgulha de vender produtos têxtil e alimentícios 100% oaxacarenhos. Produtos como o queijo de Oaxaca, mole (pasta base para molhos típicos), tejate (bebida não alcoólica à base de cacau e milho), diversas variedades do cacau (o chocolate nasceu no México e em Oaxaca faz parte da base de muitos pratos), mezcal, pimentas secas e frescas, variedades de milhos, vegetais e muitos outros produtos podem ser encontrados. Se caminhar em meio a esse ambiente é especial, degustar cada um destes sabores torna a experiência única!

Foto: Guilherme Lapa

Basicamente todas as partes dos animais são vendidas nas “carnicerías”. Foto: Guilherme Lapa

Foto: Guilherme Lapa

O mole (acima) é composto por 24 ingredientes, entre eles pimentas, chocolate, cebola, canela, uva passa, tomate, tomilho e cravo. Foto: Guilherme Lapa

Foto: Guilherme Lapa

As famosas pimentas mexicanas! Foto: Guilherme Lapa

O que faz Oaxaca tão especial?

Oaxaca está localizada aos pés do Sítio Arqueológico de Monte Alban, uma das mais antigas cidades Mesoamericanas e localizada em um dos vales mais férteis de todo o México.  Entre os séculos 500 a.c. e 1521, Monte Alban surgiu com grande influência olmeca, viveu seu apogeu sobre domínio Zapoteca, iniciou seu declínio com a invasão dos mixtexas e foi completamente abandonada com a chegada dos colonizadores. Após a chegada dos colonizadores, iniciou-se o período conhecido como Nova Espanha, onde muitas influencias europeias foram acrescentadas as tradicionais e elevaram o fluxo de ingredientes e possibilidades.

Oaxaca. Igreja de Santo Domingo de Guzmán. Foto: Guilherme Lapa

Monte Alban. Foto: Guilherme Lapa

Toda a influências dos povos pré-hispânicos, somadas as influências europeias e ao solo extremamente fértil,  transformaram Oaxaca em um dos mais importantes centros da culinária mexicana. Inclusive,  a comida mexicana é tão importante que faz parte da lista de Patrimônios Culturais Intangíveis da Humanidade UNESCO!

Guilherme Lapa é gerente de projetos na Latitudes.

Posts Recentes

Shiva e o Carnaval

Alexandre Cymbalista

Na noite de sexta-feira, dia 24 de fevereiro de 2017 no Brasil (dia 25 na Índia) será comemorado o Maha Shivaratri (na tradução do sânscrito, ”A Grande Noite de Shiva”), um período dedicado ao deus hindu Shiva. Shiva é um dos deuses que compõem a trindade suprema do Hinduísmo, e simboliza o poder da transformação, […]

23 de fevereiro de 2017

Yoga & Viagem

por Erica de Carvalho

Como essa combinação transformou meu olhar sobre o mundo

16 de janeiro de 2017

A Fotografia, ou a Arte de se Conectar

Adriano Gambarini

Desde que comecei a me interessar por fotografia, não foram poucas as frases, pensamentos e ideias que escutei, principalmente dos grandes mestres da fotografia. Mas certamente um dos conceitos mais perpetuados é: “a fotografia eterniza um momento”. Sim, é verdade. Mas depois de tanto tempo vivendo exclusivamente desta arte, comecei a reinterpretar esta mensagem, porque […]

19 de dezembro de 2016