Izakaya, o boteco dos Japoneses

Por Alexandre CymbalistaZoom31 de outubro de 2016

Um dos lugares mais tradicionais para os japoneses se socializarem, comemorarem, afogarem suas mágoas ou apenas curtirem uma noite feliz é o Izakaya. O boteco japonês é tradicionalmente o lugar informal onde se vai para beber e comer ao passar das horas. A tradução de Izakaya seria a “Casa do Saquê”, mas não se trata de um lugar exclusivo desta bebida. Lá, pode-se beber cerveja e destilados, entre outras bebidas, sempre acompanhadas de pequenos pratos para petiscar.

Embora a comida pareça ser tratada como segundo plano, deliciosas porções muito bem preparadas saem a todo momento para acompanhar a bebida preferida. Os Izakayas reúnem grupos de amigos, familiares ou mesmo colegas de trabalho que saem do expediente e ali libertam-se dos compromissos e das amarras sociais. Não é raro grupos que não se conhecem oferecendo bebidas uns aos outros e compartilhando o bom momento ali vivido. Também é parte da terapêutica japonesa, ali o indivíduo relaxa, solta suas angústias para outros colegas, sabendo que no dia seguinte todos irão preservar e respeitar os segredos revelados. Nada aconteceu, ninguém sabe de nada.

Jantar em um Izakaya.

Jantar em um Izakaya.

 

Amigos em um Izakaya após um dia de trabalho.

Amigos em um Izakaya após um dia de trabalho.

Mas as placas nos metrôs sinalizando bêbados engravatados correndo o risco de cair nos trilhos mostra que muitas vezes esse alívio de final de dia ultrapassa a linha do bom senso e descamba para o exagero. Alguns nem conseguem retornar às suas casas e acabam dormindo por ali, nos famosos hotéis-cápsulas, pequenos compartimentos que cabem não mais do que uma pessoa deitada.

Os Izakayas são a redenção da opressão e o momento onde se afrouxa a gravata. O lugar onde o chefe carrasco abraça alegremente seu empregado e cantam juntos, para no dia seguinte voltar a ser o carrasco de sempre. Campai!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Recentes

MACHU PICCHU, A CIDADE PERDIDA EM NÓS

Erica de Carvalho

Existe uma crença, talvez por conta de nossa herança de pensamento judaico-cristão, de que só se aprende através da dor. Em alguns contos da América Central aparecem os “descansos” – cruzes deixadas pelo caminho que marcam as pequenas e grandes mortes em nossas vidas, símbolos de perdas e rupturas que funcionam ao mesmo tempo como […]

27 de fevereiro de 2018

EM TERRA DE REIS E DRAGÕES

Erica de Carvalho

Tente imaginar um reino intocado, em terras altas, com uma vista estonteante para vales verdes e férteis, rodeados por cumes nevados. Um lugar raro, onde os índices de emissão de carbono chegam a ser negativos, onde 70% de toda natureza é preservada e, mesmo assim, a terra dá todo alimento àqueles que vivem dela. Além […]

29 de junho de 2017

AMRITSAR, 45 GRAUS.

Alexandre Cymbalista

Uma visita à cidade 70 anos após a independência da Índia e 33 anos depois da "operação Blue Star". Um relato emocionante que nos ensina muito sobre a história da minoria religiosa Sikh.

13 de junho de 2017